Varizes


Varizes

Por Dr.Manoel Goes,Angiologista e Cirurgia Vascular CRM -13792

Avenida Magalhães Neto, nº 1541 sala 8001 – Tel: (71) 3017-3307/3017-3607

Varizes são veias dilatadas e deformadas, que surgem ao longo das pernas e podem causar dor e inchaço. Sua ocorrência é mais comum em pessoas que necessitam ficar em pé por longos períodos. As veias das pernas, que reconduzem o sangue ao coração após ter irrigado os membros inferiores, possuem válvulas cuja finalidade é impedir o retorno do sangue aos pés pela ação da gravidade. Às vezes, essas válvulas não funcionam com eficiência e o sangue empoça nas veias provocando deformação, inchaço e alterações na sensibilidade da pele. Mulheres são mais afetadas pelo problema, e o mais comum é aparecer após os 30 anos. Uma das causas é que o estrogênio e progesterona, hormônios femininos, dilataram e enfraquecem os vasos sanguíneos. Como consequência as veias têm maior dificuldade em bombear o sangue para o coração. A gravidez também aumenta as chances do problema, já que o peso do feto prejudica o -fluxo sanguíneo. Sintomas

Câimbras,Inchaço, principalmente nos tornozelos ao final do dia Queimação nas pernas e planta dos pés Presença de veias azuladas e muito visíveis Coceira ou prurido Agrupamentos de finos vasos avermelhados Sensação de peso Cansaço ou sensação de dormência nas pernas

Causas A genética é um fator expressivo para o surgimento de varizes. O recomendado é que pessoas com histórico do problema na família façam prevenção o quanto antes, procurando um especialista. O uso de meias de compressão e exercícios físicos, por exemplo, contribuem para redução de risco do problema.

Segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular da Bahia alguns cuidados devem ser tomados também para evitar o aumento de risco de varizes: excesso de peso, tabagismo, uso frequente de sapatos desconfortáveis (muito planos, com salto alto e fino ou apertados, por exemplo), sedentarismo, evitar hormônios anticoncepcionais; dieta rica em fibras para evitar a constipação intestinal. Outra orientação é que a cada hora em determinada posição, o indivíduo faça uma pequena caminhada ou exercite a sua panturrilha para ajudar na circulação. O fato de ficar sentado ou em pé por muito tempo dificulta o bombeamento do sangue de volta ao coração. Elevar as pernas acima do nível do coração por alguns minutos para facilitar o retorno do sangue para o centro do corpo; usar meias elásticas também traz resultados significativos. Tipos de varizes Primárias são de tendência hereditária, responsáveis pelas linhas vermelhas e azuis de diversos tamanhos na perna e também pelas varizes de maior calibre e possuem maior frequência. Secundárias  aparecem devido às doenças adquiridas no decorrer da vida e são de tratamento mais complicado. Conhecidas como “varizes internas” e podem acusar sangramentos, úlceras (feridas), eczema, infecções, vermelhidão, manchas, espessamento da pele, dor, flebite e mesmo a embolia de pulmão. Tratamento Escleroterapia –Muito utilizada para as microvarizes ou vasos e para as varizes de calibre muito pequeno. Consiste na injeção de substâncias esclerosantes que expulsam o sangue para as veias normais e entopem as veias que estão sendo tratadas.

Cirurgia – as cirurgias de varizes estão cada vez menos agressivas. A grande maioria pode ser realizada hoje através de mini-incisões e o tempo de internação raramente precisa passar de 24 horas. As varizes retiradas numa cirurgia não provocam danos à circulação, uma vez que as outras veias normais e o sistema venoso profundo normal se encarregam de garantir o fluxo de retorno.

Laser escleroterapia – a escleroterapia com laser está em evolução e ainda não substitui a escleroterapia tradicional. Não pode ser aplicada em todos os tipos de pele e ainda não dá bom resultado nos vasos de calibre maior. Novas tecnologias com laser em desenvolvimento poderão ampliar a sua utilização.

Laser endovenoso – consiste na introdução de cateter com laser dentro das varizes com a intenção de destruí-las pelo calor. É uma técnica ainda em fase experimental.

Radiofreqüência – é a mesma anterior usando o calor produzido por cateteres dotados de dispositivo de rádio-freqüência.

Escleroterapia Ecoguiada com Espuma – injeção da espuma na quantidade adequada, observando diretamente no vídeo, onde poderá visualizar desde a agulha puncionando o vaso, até a quantidade de espuma que está sendo injetada no interior da variz.

Este procedimento substitui o procedimento cirúrgico convencional, proporcionando o tratamento em uma média de duas sessões com duração de aproximadamente 20 minutos cada. O método utilizado é menos invasivo e oferece uma recuperação mais rápida ao paciente.

Fonte:Revista Vitrine do Aposentado

0 visualização